como evitar os riscos ergonômicos

Riscos ergonômicos: o que são e como preveni-los

Quando o assunto é segurança do trabalho, muitas pessoas imaginam acidentes com máquinas, equipamentos complexos ou em atividades exercidas em alturas.

Esses são alguns exemplos de trabalhos em ambientes que apresentam riscos extremos. Porém, qualquer atividade pode apresentar riscos, sejam eles imediatos ou a longo prazo.

É nesse sentido que a Ergonomia busca avaliar o ambiente de trabalho, bem como as interações entre o homem e as máquinas. Essa ciência tem o objetivo de promover conforto aos colaboradores, prevenindo doenças ocupacionais.

Assim, os responsáveis pela segurança do trabalho nas empresas precisam ter atenção aos riscos ergonômicos. Mas você sabe quais são esses riscos e como ter ações preventivas contra eles?

Neste post, vou te mostrar o que são os riscos ergonômicos e como é possível prevenir sua equipe deles. Veja os tópicos que separamos:

  • O que são riscos ergonômicos?
  • Principais riscos e problemas causados
  • Como prevenir os riscos ergonômicos

O que são riscos ergonômicos?

É considerado como risco ergonômico qualquer fator que possa afetar a saúde do trabalhador ou gerar um desconforto. Esses riscos podem apresentar sintomas tanto físicos como psicológicos, impactando o bem-estar e a produtividade.

No entanto, esses riscos não afetam apenas o funcionário, mas toda a equipe. Além disso, geram problemas para a empresa como afastamentos, alto índice de absenteísmo e até problemas judiciais.

Dessa forma, é fundamental compreender esses riscos e os principais problemas que eles causam. Acompanhe a leitura e entenda.

Principais riscos e problemas causados

O primeiro passo para prevenir a empresa de riscos ergonômicos é conhecer as situações que os provocam e os principais problemas gerados.

Veja, a seguir, os principais, para identificar quais estão presentes em sua empresa:

– Postura incorreta: problemas com a postura podem gerar fadiga, lesões e enfraquecimento de regiões do corpo, como o pulso, lombar e coluna. A longo prazo, a postura inadequada pode comprometer o sistema osteomuscular, resultando em Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DOR).

– Repetitividade: movimentos repetitivos podem causar problemas de fadiga e desgaste, tanto físico como mental. Pessoas que trabalham com atividades repetitivas podem apresentar tendinites, bursites, lombalgias e dores crônicas na coluna.

– Iluminação inadequada: ambientes iluminados são fundamentais para as rotinas de trabalho. Mas tanto a falta como o excesso de iluminação podem prejudicar.

Alguns sintomas, decorrentes da iluminação incorreta, são problemas de visão, dores de cabeça, irritação e estresse. Sem falar que, ambientes excessivamente iluminados podem ter altos níveis de radiação UV, comprometendo a saúde da pele.

– Ritmo de trabalho, controle e cobrança excessiva: prazos muito curtos, muitas tarefas e horas extras frequentes podem levar a um ritmo de trabalho desgastante.

Alguns líderes tendem, ainda, a pressionar seus funcionários para o alcance de metas.  Com isso, muitas pessoas apresentam estresse físico e psicológico, gastrite, falta de disposição, entre outras doenças.

– Jornadas prolongadas: jornadas de trabalho prolongadas constantemente, geram problemas que também atingem a saúde física e mental dos colaboradores. A frequência dessas jornadas pode levar ao desenvolvimento da síndrome de Burnout, conhecida como esgotamento físico.

– Manuseio e levantamento de cargas: manusear e levantar cargas excessivas na rotina de trabalho comprometem a saúde, gerando lesões e com afastamentos temporários ou até comprometimentos mais sérios, que invalida o funcionário.

Como prevenir os riscos ergonômicos

Como vimos, os riscos ergonômicos comprometem seriamente a saúde dos trabalhadores. E o que uma empresa tem, de mais valioso, é o capital humano.

Sem funcionários saudáveis é impossível ter uma empresa com bons resultados, produtividade e qualidade nas entregas.

Por isso, ações preventivas são essenciais. Nesse sentido, a NR 17 estabelece parâmetros para a adaptação das condições de trabalho e, assim, preservar a saúde do trabalhador. Uma das exigências consiste na realização da Análise Ergonômica do Trabalho (AET).

Essa análise tem o objetivo de identificar os riscos e propor soluções ergonômicas, para melhorar as tarefas diárias.

Em suma, é fundamental estar atento a:

– Iluminação do local;

– Sinalização em locais de risco;

– Cadeiras e mesas ajustáveis;

– Fornecimento de EPIs;

– Distribuição de tarefas sem sobrecarga;

– Incentivo a ginástica laboral.

Dessa forma, priorize a saúde e bem-estar em sua empresa. Entenda as necessidades de sua equipe e desenvolva um time de alta performance. Para outros artigos relacionados ao tema, acompanhe o meu blog.

Quer receber conteúdos de qualidade?

Inscreva-se em nosso newsletter e seja o primeiro a receber todas as novidades que surgirem por aqui em seu e-mail!



    , , ,
    SIPAT 2021: dicas para realizar um evento incrível ainda este ano
    Mapa de risco: para que serve na Segurança do Trabalho?

    Posts relacionados

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Preencha esse campo
    Preencha esse campo
    Digite um endereço de e-mail válido.
    Você precisa concordar com os termos para prosseguir

    Menu